Fatinha

Reencontros

In humor on 29/11/2009 at 8:33 PM

Querido Brógui

Há duas categorias de reencontros. Numa delas você dá de cara com uma pessoa que não vê há anos e um onda de felicidade toma conta do ambiente. Na outra, você deseja ardentemente fazer o tempo voltar para não estar naquele lugar, naquela hora, ou que sua cara tenha mudado tanto que o outro não lhe reconheça.

É impressionante como no primeiro caso a conversa flui como se os anos não tivessem passado, o riso impera, rapidamente se dá a atualização acerca do que cada um viveu, num atropelo de informações, pulando de um assunto para o outro e, em menos de meia hora, vem a despedida, a vontade de ficar mais um pouco, a troca de telefones e a esperança de que um dia, quem sabe, tenhamos tempo de nos falar de novo.

Na outra situação, em quinze longos e dolorosos segundos, eu já estava procurando a saída de incêndio mais próxima. Não encontrei. Respirei fundo e ofereci meu sofrimento pela paz mundial. Coloquei um sorriso de bolso na cara e fiquei esperando a bomba estourar. Mais quinze segundos, visualizei um buraco se abrindo no chão e eu por alí escapando, como nos filmes de assalto a banco. Outros quinze segundos, mentalizei a cabeça da pessoa explodindo. Quinze segundos, comecei a rezar para não sucumbir ao desejo de mandar a pessoa tomar no “orifício na extremidade inferior do intestino grosso, por onde são expelidos os excrementos”. Não teve jeito, tive que suportar heroicamente aquela bolha no calcanhar virar ferida. Os mesmos trinta minutos que no primeiro reencontro passaram tão rápido, no segundo pareciam se multiplicar. Finalmente, ela se despediu, tinha compromisso e estava atrasada. Ufa! Sobrevivi, mas não incólume. Ela insistiu para que desse o número do meu telefone. Tinha gostado muito de me ver e queria manter contato.

Que Deus tenha piedade da minha alma! Que eu não morra envenenada ao morder a minha própria língua! Que o celular dela caia no chão e apague meu telefone!

Anúncios
  1. Fatinha, isto tb já aconteceu comigo, a gente é macha pra caramba, mas numa hora destas a gente dá o número, pq a educação que mamãe deu impera. Sabe o que eu faço, salvo o número da infeliz criatura como NÃO ATENDER. Se forem várias, é a NÃO ATENDER 1, NÃO ATENDER 2, assim por diante. Assim, vc não corre o risco. Ok? Bjm.

    Curtir

  2. Isso já aconteceu comigo algumas vezes e como é difícil sair das conversas que esses reencontros traumáticos trazem.
    E o tempo parece nunca passar. Eu sempre digo que vou ligar ou retornar a ligação, mas nunca faço isso.

    Curtir

  3. Querida Helena,
    A criatura apenas é chata demais, inconveniente demais, intrometida demais, indiscreta demais. Só isso. O pior é que a coitada nem percebeu que estava prestes a ser vítima de um homicídio perpetrado com requintes de crueldade.
    Bjs
    Paz

    Curtir

  4. Por que não deu o número errado, amiga??? Ou então, bloqueie o número da infeliz para que não tenha o dissabor de ouvir a voz da infame criatura. Sei que você é da PAZ, para você não suportá-la algum motivo justo deve haver. Beijocas e bom domingo.

    Curtir

O que você achou?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: