Fatinha

O passarinho

In humor on 03/06/2017 at 7:22 PM

Querido Brógui,

E lá pelas tantas da manhã, alvoroço em casa: havia entrado voando, pela porta da cozinha, um passarinho. Tadinho… Desorientou, perdeu o rumo e acabou dentro de casa. Onde ele está? Não sei, não vi. Demos uma olhada, e, como não o encontramos, caso encerrado. Deve ter saído pela janela.

Tô ouvindo um pio. É o passarinho. Ele ainda deve estar aqui dentro. Eu não tô ouvindo nada. Nem eu. Mas eu estou. Levantei do sofá, olhei nos cantinhos, ele deve estar encurralado em algum lugar. Nada. Nenhum rastro.

Tão ouvindo? É o passarinho. Tá doida? Eu não tô doida. Falo sozinha, mas ainda não estou ouvindo vozes. Nem pios.

Almoço. E agora? Ouviram? Agora ouvimos. Cadê o bendito passarinho? Procura, procura, procura. Vai ver que estamos ouvindo ele cantar lá fora, pensando que está aqui dentro. É. Deve ser isso.

Quem quer um docinho? Eu! Oxe! Olha quem está aqui! O passarinho! Na prateleira do móvel da sala. Escondidinho. Eu não vou tirar porque tenho medo. Pode deixar que eu tiro. Não precisou. Num rápido e corajoso movimento, saiu o bichinho voando, direto janela afora.

Ficou horas ali, assustado, sem conseguir sair da cilada em que se meteu. Preso sem estar preso. Como muitas vezes ficamos. Como o passarinho de hoje,  ficamos presos, apavorados, sem ver uma saída, quando ela é simples. É só sair voando. É só vencer a paralisia que o medo nos traz.

Claro que o medo é saudável, é necessário, é sobrevivência. Mas se desmesurado, embota, bloqueia o raciocínio, trava tudo, inclusive a visão da saída. Aquela janela que está bem na nossa frente, como estava a janela libertadora do passarinho, não é enxergada, ou fica longe demais, ou difícil demais. Aí, corremos o risco de acabar nos acostumando com aquela prateleira, com o desconforto, o medo torna-se parte de nós. Acabamos por esquecer que um dia quisemos sair voando. Esquecemos de que podemos voar, como é gostoso ser livre, o quanto perdemos por não nos arriscar (mesmo que só um pouquinho, um risquinho calculado que seja).

Olha só, passarinho: você me fez me lembrar de mim. Escapei de uma prateleira há pouco tempo. Olhei para a janela, respirei fundo e me lancei. Com o coração disparado, achando que talvez não fosse conseguir, mas abri minhas asinhas e voei.

PS: Tá, Querido Brógui… Eu sei que a metáfora foi pobre, mas dá um desconto porque há muito não escrevo. Tô meio enferrujada. Não serei como o personagem descrito por Fernando Sabino na obra “O Encontro Marcado”:

” Era um homem de certo talento, que cedo foi apanhado e se mediocrizou. Agora está tentando achar o caminho e não consegue, porque para descobrir o caminho para o talento, é preciso talento.”

Eu não me mediocrizei. Vou descobrir meu caminho de volta.

 

 

um ano

In humor on 01/06/2017 at 1:23 PM

Há um ano Mamãe saiu do hospital e voltou pra casa, após 52 dias de internação. No hospital, vivi com ela. Estava internada com ela.

UTI. De manhã, lá ia eu saber do boletim médico. Quadro estável, sem intercorrências. Visita à tarde. Quadro estável, sem intercorrências.

No dia seguinte, tudo de novo. Ou pior.

Respirando com cateter. Oxigênio. Acesso profundo. Direto na jugular. Não tinha mais como pegar a veia.

No dia seguinte, tudo de novo. Ou pior.

Sonda nasogástrica. Ela não se alimentava mais. Pedi para ir dar comida pra ela. Obtive autorização. Dava o almoço. Saía. Hora da visita, entrava. Saía de novo. Hora do jantar, entrava. Ia pra casa, banho, cama.

No dia seguinte, tudo de novo. Ou pior.

Infecção urinária. Sonda. Rins meia-boca. Pulmão ainda infiltrado. Coração não estava dando conta.

No dia seguinte, tudo de novo. Ou pior.

Atada ao leito. Estava entrando na fase do delírio. Ficava agitada. Trocava o dia pela noite. Também… quem consegue saber, dentro de uma UTI, se é dia ou noite?

No dia seguinte, tudo de novo. Ou pior.

Exames, exames, exames. O que ela tem? Estamos pesquisando. Os rins estão brigando com o coração, que está brigando com o pulmão. Estamos ajustando a medicação.

No dia seguinte, tudo de novo. Ou pior.

Sua mãe arrancou tudo durante a noite e não deixa colocar de novo. Tudo o quê? Tudo. Acesso, sonda, medidor de pressão e frequência cardíaca, cateter. E agora? Deixa sem. Vamos acompanhar. Foi bom. Durante o delírio, ela resolveu tudo. Acelerou o processo da alta. Provou que aquele monte de tubos e fios não eram pra ela.

O que ela tem? Aqui não é lugar pra ela. Os vizinhos dela estão em coma. Ela pode se recuperar no quarto. Estamos pesquisando. Exames, exames, exames. Depois de muita briga, muita Ouvidoria, alta para o quarto. Não tem quarto disponível. Como não tem quarto? Mais uma noite. No dia seguinte, tudo de novo. Briga, briga, pede, pede, não tem quarto.

Agora vai. Tem quarto. No sábado? Negativo. Não vou tirar minha mãe da UTI pra cair na mão de plantonista. Se o Rotina dá defeito, imagine o Fraldinha de plantão?

Agora vai. Quarto.

Eu, no sofazinho maldito, onde ou cabe a cabeça, ou cabe o pé. Noites mal dormidas ou não dormidas. Eu e ela. O sono é interrompido pelos seus delírios, suas conversas, reclamações – abaixa a cama, levanta a cama, me vira, me desvira, tira o cobertor, bota o cobertor, me dá água. O sono é interrompido quando tosse, quando engasga, quando começa a cantar, bate palmas. Mamãe, pelo amor de Deus! Vai dormir! Me deixa dormir!

Às seis da manhã, começa o entra-e-sai do quarto. Medicação. Pressão. Glicose. Café da manhã. Banho. Sinceramente, não sei quem estabelece estas rotinas. Quando o paciente começa a dormir, vem a colação, a medicação, a fisioterapeuta, a nutricionista, a visita médica, o almoço, a higiene, o técnico de enfermagem, o técnico do laboratório. Um agito sem parar.

Quando vai ter alta? O que está faltando? Ela está cada vez pior. O corpo dela está se deteriorando. A lucidez tá indo embora.

Briga, pede, chora, reclama, argumenta. Vamos pra casa.

Operação de guerra. Ambulância. Leito hospitalar. Cuidadora. Fraldas descartáveis. Remédios. Camisolas. Cadeira higiênica. Alimentação pastosa. Perda de tonicidade muscular, queda plantar, ainda delirando à noite.

Fisoterapia. Reabilitação. Aprender a virar-se na cama. Aprender a sentar, a ficar de pé, a segurar o copo, a controlar os esfícteres. Cadeira de rodas, andador, muleta, bengala. Comer sozinha, comida sólida, comprimidos sem ser macerados. Servir seu próprio prato, dar uma voltinha na casa, subir dois degraus. Tudo era motivo de festa, aplausos, uhus, lágrimas, sorrisos.

Um ano difícil, mas que passou. E rápido. Vitórias pequenas comemoradas como grandes conquistas. Grandes conquistas celebradas como uma grande vitória. Um ano de redefinição de paradigmas. O que importa? Quem importa? Quem se importa? Qual é a próxima meta? Viver um dia de cada vez, valorizar as pequenas coisas, agradecer, agradecer, agradecer.

Obrigada à Vida, por existir. Obrigada aos meus amigos, por estarem sempre lá, na alegria e na tristeza. Obrigada ao meu trabalho, por me proporcionar a tranquilidade material tão necessária. Obrigada pela oportunidade de aprendizado, por ter me tornado uma pessoa melhor, por ter salvo a minha Mãezinha.

Amém.

 

 

 

 

Aos Homens

In humor on 11/12/2015 at 11:54 AM

Querido Brógui,

Após centenas de milhares de furiosas mensagens eletrônicas, vindas de cabras-macho, indignados porque só falo bem do sexo frágil, decidi homenagear os homens. Mas só aqueles que, independentemente de sua orientação sexual, merecem o H maiúsculo.

Antes de mais nada, que fique claro que não me arvoro de porta-voz de todas as mulheres do mundo. Sou porta-voz de mim mesma – e olhe lá. Então, meninas, ousem discordar, mas carinhosamente, como damas de fino trato.

Fique claro também que falo baseada em experiências empíricas, comprovadas em laboratório, com um grupo de controle, com cobaias que não sofreram nenhum tipo de abuso. Todas as conclusões foram tabuladas e documentadas  e estão à disposição para consulta.

Por último, antes que fiquem me chamando de sexista, feminista, machista e outros istas, vamos combinar que não dá pra fugir do óbvio e dizer que homens e mulheres são iguais. Não são. Têm os mesmos direitos e obrigações, mas são diferentes. Seja biológica ou culturalmente, seja por aprendizado ou atávico ou inato, somos diferentes. E isso é sensacional.

Ok. Vamos ao que interessa: o que mais se destaca no comportamento masculino? O raciocínio cartesiano, prático, linear, sem subtexto, sem metáforas. Isso é isso. Aquilo é aquilo. Quando diz, não quer dizer, disse mesmo. E se não disse é porque não tem nada pra dizer, não tá querendo que você adivinhe. Não fique tentando analisar, ouvindo a conversa na sua cabeça e procurando captar uma mensagem subliminar que não existe. Não fique passando o filme frame by frame e procurando um sinal oculto na linguagem corporal. Isso é coisa de mulher, homem é fácil de ler e entender, basta ter concluído o Ensino Fundamental da Vida. Nós somos muito mais complexas e o sofrimento deles para nos entender é infinitamente maior.

Esta peculiar forma de ver e encarar o mundo é digna de aplausos. Admiro e tento, na medida permitida pelos meus hormônios, adestrar minha mente para funcionar assim. Em momentos específicos, é altamente funcional. Com esta forma simples e gluten free de pensar, elimina-se as curvas e traça-se uma reta. É rápido, prático, não-emocional, sem grandes abstrações e, acima de tudo, eficaz.

Outra característica digna de ser mencionada é aquele jeito protetor, às vezes até atencioso e delicado. Tipo abrir uma tampa de rosca, ficar à direita na calçada, dar a mão pra atravessar a rua, dizer “deixa que eu resolvo” – esta é a parte que mais gosto. Os homens, quando se deparam com uma mulher que dá conta de tudo, esquecem que nem sempre a gente quer dar conta de tudo. Por vezes eu não quero dar conta de nada. Nem escolher a comida no cardápio.

É bacana, fofo mesmo (não, fofo não, homem odeia ser chamado de fofo) quando ele assume o controle da situação que já estava sob controle e fica todo feliz com isso. É muito legal quando ele coloca o refrigerante no seu copo. Carrega a sua bolsa. Fica em pé pra você sentar. Pequenos gestos que transmitem segurança. Como é bom ter alguém pra segurar sua mão na hora de subir uma escada usando salto alto! Ou que procura um canto pra você conseguir respirar no lugar mais cheio do planeta. E fica ali, demarcando o território.

Devemos permitir, noves fora toda a modernidade, emancipação, independência, blábláblá, que os homens exerçam as atividades nominadas como “coisas de homem”. É fundamental para eles afirmar sua masculinidade, saber que estão cuidando da mulher, que ela precisa dele pra alguma coisa, provar sua virilidade como nos tempos cavernas. A gente não precisa ficar explicando como historicamente aconteceu a divisão social do trabalho, é apenas deixar que o Y seja Y. 

Há algumas outras coisitas do meu estudo que compartilharei com você em outra oportunidade. Agora não dá, já falei demais e o meu público masculino não tem o menor saco pra isso.

%d blogueiros gostam disto: