Fatinha

Archive for janeiro \19\UTC 2014|Monthly archive page

Rolezinho

In humor on 19/01/2014 at 9:48 PM

Querido Brógui,

Quando ouvi pela primeira vez essa palavra “rolezinho”, a primeira coisa que passou pela minha cabeça foi um bifinho rolé em miniatura. Depois saquei que não era bem isso.

No rádio, ouvi que era um movimento de protesto dos jovens da periferia de São Paulo que reivindicavam espaços de lazer, inexistentes no local onde moram. Continuei sem entender muito bem, até que, em outro comentário, também no rádio, acrescentaram a informação que os rolezinhos aconteciam nos shoppings. Um acadêmico explicou que o jovem pobre se sente alijado de opções culturais garantidos ao jovem rico e que estavam usando as redes sociais para combinar incursões aos shoppings.

Daí veio um tumulto na porta de um shopping chique, convocado por militantes do movimento dos sem-terra, sem-teto, sem-o-que-fazer. Pronunciamento de Ministros, dizendo que os rolezinhos eram demonstrações da revolta dos jovens negros e pobres contra os brancos.

Então, li em uma revista outra explicação, completamente diferente, dada por um dos meninos que faz as convocações . Ele disse que não tem protesto nenhum, que o rolezinho é feito em shoppings perto da casa deles, marcados com antecedência porque eles precisam ir montados. Quer dizer, os meninos e meninas da periferia vão pro shopping arrumados, de preferência com roupas de grife – o entrevistado inclusive tem patrocinador – pra dar beijo na boca, socializar.

No jornal, continuam batendo na tecla do movimento social, da adesão de black blocks, da insegurança causada ao paraíso com ar condicionado.  É claro que sempre haverá quem aproveite pra fazer tumulto, invadir lojas, depredar, saquear. Não há como evitar a ação do espírito de porco.

Sabe o que eu acho?

Que tem nego querendo pegar carona no rolezinho alheio. Acredito mesmo que a garotada só quer ficar mesmo andando pra lá e prá cá paquerando, gastando o que podem e o que não podem pra satisfazer a fome de usar roupas, bonés e tênis de grife. Não estou dizendo que pobre não pode querer usar grife, nem vou entrar no mérito da sociedade de consumo,  na discussão sociológica, antropológica, moral da coisa. Só estou dizendo que a versão mais simples me pareceu a melhor.

Também acho que  o entendido no assunto que disse no rádio que o jovem da periferia não tem opção de lazer e cultura, mirou no que viu, mas acertou no que não viu. Se esse fosse mesmo o objetivo do suposto protesto, por que não protestar pelo direito ao acesso à bibliotecas,  museus ou teatros? Por que não combinar de ” invadir” um Centro Cultural?

Por último, o que não faz um ano de eleições na cabeça de um político. Ficam dando piruadas surreais, invocando a luta de classes, estimulando preconceitos invertidos, surfando na onda do nada-a-ver, dizendo que o direito de ir e vir está sendo violado e outras bobagens do gênero.

Só sei que a meninada paulista tá revoltada porque não tá mais podendo ir ao shopping se exibir e tentar desencalhar sem que isto seja taxado como ato criminoso. Com razão.

 

Anúncios

Brógui chato

In humor on 14/01/2014 at 8:28 PM

Querido Brógui,

Tu ficas me cobrando uma edição nova. Mas estou no vácuo criativo, entenda. Também, falar sobre o quê?

Um calor filhodaputa aqui no Rio. Aí eu vou ter que dizer que dá pra fritar um ovo no asfalto, que já amanheço suada, que quero cortar o cabelo com máquina um, que fui à praia e fiquei embaixo do chuveirinho porque o mar estava congelante e fiquei com medo de ter um choque térmico, blábláblá. Chato.

Posso também falar do Maranhão, ou melhor, daquela Famiglia que se apossou do estado como se fosse sua propriedade privada, que tenta justificar o injustificável e vive há meio século mamando nas tetas do Poder e que não tem doença que os mate. Chato.

Ou então que vai começar mais um BBB, uma Odisseia até onde nenhum ser pensante jamais foi, com suas bundas e festas e bebedeiras e pegação e filosofias de beira de rua e sei lá mais o que porque nunca vi. Chato.

Que uma das Universidades mais antigas do Rio vai ser fechada, por ordem do MEC, em um país que supostamente quer ser desenvolvido, mas que ainda não descobriu que sem educação não rola, que sem livros não rola, que sem estudo não rola. Chato.

Posso ainda dizer que ano que vem tem um porrão de feriados, sem contar a Copa e que pão e circo é coisa tão antiga e tão funcional que ninguém percebe que tá sendo enrolado, que a tal da Copa é um ralo de dinheiro público, que estão construindo estádios no meio do nada, que construir escolas e pagar salários dignos aos professores com esse dinheiro sairia muito mais barato (mais barato inclusive do que construir presídios de segurança máxima ou mínima ou média ou qualquer merda do gênero, além do que sustentar bandido é mais dispendioso que custear uma criança em horário integral numa escola de qualidade). Chato.

Ou posso comentar que seria melhor ser surdo a ouvir do Prefeito que o transporte público é uma zona, mas que devemos deixar o carro em casa e que os alagamentos decorrentes das chuvas são normais e que é mais seguro ficar em casa (junto com o carro) e que o Governador ao que parece se mudou de mala e cuia pra Paris, levando com ele o nosso helicóptero já que ele acha muito justo ter que usar com sua família porque afinal são pessoas muito visadas e foda-se o mundo porque o nome dele não é Raimundo. Chato.

Uma ideia puxa a outra e posso requentar a história do implante do cabelo, que, aliás, ficou uma bosta. Ou dos cartões de crédito corporativos, que ainda existem (!!!!!!) ou dos gastos não declarados do Governo Federal ou do auxílio moradia dado a quem não precisa ou do aumento aos comissionados do Legislativo, enquanto os servidores concursados esperam a votação da lei. Chato.

É. Tô chato mesmo.Melhor ficar em silêncio.

%d blogueiros gostam disto: