Fatinha

Archive for julho \25\UTC 2010|Monthly archive page

Vou ali e volto já

In humor on 25/07/2010 at 9:50 AM

Querido Brógui,

Meio que em cima da hora, venho lhe dizer que estou embarcando daqui a pouquinho rumo à Aruba (lembra da enquete?). Volto semana que vem cheia de novidades. Se der, falo com você. Pode ser que haja tempo, entre uma espreguiçadeira e outra, entre um barquinho e outro, entre uma Coca-Cola e outra.

Pretendo voltar renovada, bronzeada, animada, descansada e todos os “adas” que não me vêm à mente agora.

Bjs

Paz

Anúncios

Toy Story 3

In humor on 14/07/2010 at 4:50 AM

Querido Brógui,

Fomos eu, João Pedro e mamãe ao cinema. Comprei uma pipoca mega – que comi sozinha porque o pequeno fez forfait – uma Coca mega – que tomei sozinha porque o pequeno queria “xuco” – e entramos na sala. Era um filme em 3D, João ficou empolgadíssimo porque ia usar óculos – mal sabe ele a chatice que é ficar com esse treco pendurado no nariz. Achei o filme meio pesado, com umas cenas muito fortes.

Pra começar,  os brinquedos rejeitados porque o dono deles cresceu sofrem mais que sovaco de aleijado. As crianças pequenas da creche pra onde são doados os brinquedos usados são retratadas como monstros destruidores de brinquedos, esses vitimizados pela tirania do tal do “urxinho mau” que tortura os bonecos, os prende em caixas ou enterra na caixa de areia da creche. O Ken é um metrossexual meio abichalhado e o boneco-bebê é mau que nem um pica-pau.

Fiquei com medo de que João começasse a chorar assistindo a esse filme de terror, mas ele resistiu bravamente, disse que gostou e no final nem fez cena pra devolver os óculos.

Bem, nem tudo é perfeito. Fiquei com os olhos cheios d’água quando do final feliz. A que ponto cheguei!

Que peninha…

In humor on 12/07/2010 at 7:30 AM

Querido Brógui,

Estou morrendo de pena da seleção da Holanda. Tri-vice é muito karma… Afora isso, o uniforme laranja deles é super fashion, lindinho mesmo.

Mas, falando sério, olhando o tal do estádio Soccer City, belíssimo, que deve ter custado milhões de dólares (em contraste com a penúria sul-africana), transcrevo pra você um trecho de Les Miserables, de Victor Hugo, datado de meados do século XIX:

“Esse navio, mesmo no péssimo estado em que se encontrava, pois o mar o havia maltratado, causou forte impressão ao entrar no ancoradouro. Levava não se sabe bem que bandeira, que lhe valeu uma salva regulamentar de onze tiros de canhão, aos quais respondeu com outros onze; total: vinte e dois tiros. Calculou-se que, em salvas, cumprimentos reais e militares, trocas de disparos corteses, sinais de etiqueta, formalidades de cais e cidadelas, saudações ao nascer e ao pôr do sol, feitas diariamente por todas as fortalezas e navios de guerra, aberturas e fechamentos de portos, etc., etc., o mundo civilizado gastava com pólvora, por toda a terra, a cada vinte e quatro horas, cento e cinquenta mil tiros inúteis de canhão. A seis francos cada tiro, são novecentos mil francos por dia, trezentos milhões por ano, que se vão em fumaça. Mero detalhe. Enquanto isso, os pobres morrem de fome.”

Dá pra fazer um paralelo, não dá?


É lamentável

In humor on 07/07/2010 at 6:58 AM

Querido Brógui,

Peço sua licença para fugir – e muito – do meu objetivo quando escrevo para você, que é lhe proporcionar alguns minutos de diversão. Hoje ocorreu um fato lamentável na escola em que trabalho e que me deixou profundamente triste.

Um aluno – reincidente – me afrontou com atitudes desrespeitosas, palavreado chulo e eu o convidei a se retirar da sala para que se acalmasse. Sim, Querido Brógui, professor tem que escutar tudo, viver tudo, sentir tudo,  sem perder a fleuma, sem demonstrar descontrole emocional, como se fora um anjo caído do céu.

Momentos depois, já na hora do intervalo, momento esse em que eu deveria ter o direito de me sentar, ir ao banheiro, tomar meu café, conversar fiado com minhas colegas de trabalho e tomar fôlego para o segundo round, fui chamada à sala da Direção porque o padrasto do garoto estava querendo saber o que havia acontecido. No gabinete, já se encontravam dois guardas municipais – que pelo que entendi haviam sido chamados para dar conta de outro furdunço acontecido.

Comecei a relatar o ocorrido quando entrou a avó do garoto, com a qual ele mora. O padrasto se dirigiu a ela pedindo para que se retirasse. Eu olhei para um, para o outro, calada, esperando. A senhora então se dirigiu à minha pessoa, aos gritos, perguntando por que eu estava debochando da cara dela. !!!!  Repito: eu nem lhe dirigi a palavra, estava calada, esperando os dois resolverem quem ia ficar e quem ia sair do gabinete.

Mas o barraco não parou por aí. Uma outra aluna, não sei porque cargas d’água entrou também na sala e a avó do garoto, partiu pra cima dela, gritando que ela tinha chamado o neto dela de ladrão. Parênteses: tudo começou por causa de uma caneta.

Daí começou o maior barata voa, larga a garota, me larga, diretor impedindo a avó de pegar a menina, os guardas segurando o padrasto para não agredir o diretor, um monte de alunos na porta querendo saber o que estava acontecendo, eu mandando os alunos saírem dalí, uma gritaria que nem sei direito descrever.

Moral da história: pela atitude da avó, bem se pode imaginar onde o garoto aprendeu a ser descortês e a não respeitar ninguém. Pode-se também imaginar que o problema familiar é seriíssimo, briga de família, avós com mãe, padrasto e o moleque no meio de tudo isso, descontando sua infelicidade em quem não tem absolutamente nada a ver com o babado. Pode-se também mais ou menos prever o futuro desse garoto descontrolado emocionalmente, fruto desse lar desconstruído, sem limites sendo impostos, sendo acobertado pela leniência dos adultos que o criam. Está sendo formada uma pessoa que não assume os seus erros, sempre colocando-se como vítima de situações, que não reconhece autoridade alguma, que não se responsabiliza por suas atitudes e que reage agressivamente caso seja contrariado.

O outro lado da história é que temos um sistema no qual o menor de idade é protegido dos abusos – o que é certo – e se aproveita dessa garantia para atacar a quem quer que seja, certo de que nada irá lhe atingir. A verdade é que, à guiza dessa proteção, criou-se um paternalismo barato, que defende que qualquer coisa pode traumatizar a criança e o adolescente. Não se pode mais brigar, punir, reprovar, nadinha. O que precisamos é passar a mão na cabeça do menor porque o coitado é marginalizado desde que nasceu, porque precisamos aumentar sua auto-estima e outros tantos chavões que nós, professores, somos obrigados a engolir a seco, como se fôssemos uns carrascos e os alunos indefesas vítimas. Querem nos convencer de que somos responsáveis pelo fracasso da família que não suporta o ônus de criar seus filhos e que traz a reboque o fracasso escolar. Já ouvi inclusive que “temos que resgatar uma dívida com esses alunos.” Que dívida? O que eu ainda posso estar devendo ? – se é que algum dia devi.

Sou professora há séculos e jamais desrespeitei um aluno, mas sou obrigada a aturar toda a forma de desrespeito – seja do alunado, seja dos seus “responsáveis”, seja do tal do “sistema” que exige de mim mais do que a Igreja Católica exige para a canonização de uma pessoa. 

Sempre acreditei no poder transformador da educação e continuo acreditando, mas a concorrência com o lado negro da força é desleal, ainda mais sem contar com o apoio daqueles que deveriam ser nossos parceiros nessa empreitada e não nossos opositores.

Tá feito o desabafo. Obrigada pela atenção.

Sem comentários

In humor on 03/07/2010 at 6:53 AM

Querido Brógui,

Tô com muita pena dos torcedores decepcionados. Todo mundo na rua com cara de bunda, com a roupinha verde e amarela.

Quanto a mim, acabaram as folgas… ai, ai…

%d blogueiros gostam disto: